Cloreto de Magnesio P.A. Está comprovado cientificamente que a grande maioria dos seres humanos apresentam carência do elemento MAGNÉSIO no organismo, sendo este muito importante para o nosso metabolismo. A pagina oficial: http://www.cloretodemagnesio.com ATENÇÃO! NÃO ESTOU CONSEGUINDO RESPONDER NO FORUM. ENVIEM EMAIL PARA: cloretodemagnesio@uol.com.br

Tags: diabetes hipertensao artrite artrose magnesio
10/08/2007 20:18
De: Admilson
IP: 200.171.249.88

Re: Re: Cloreto de magnésio

Para o Coração
Os níveis adequados de magnésio são essenciais para o músculo do coração. Aqueles que morrem de ataque cardíaco têm o magnésio muito baixo mas níveis elevados do cálcio em seus músculos do coração. Os pacientes com doença coronárias que foram tratados com grandes quantidades de magnésio sobreviveram mais e melhor do que aqueles com tratamento por droga. O magnésio dilata as artérias do coração e abaixa os níveis de colesterol em pessoas gordas.
Os níveis elevados de cálcio, por outro lado, contrai as artérias do coração e aumentam o risco de ataque cardíaco. Os depósitos do cálcio nas paredes das artérias contribuem para o desenvolvimento da arteriosclerose. As artérias tornam-se duras e rígidas, desse modo restringindo o fluxo do sangue e causando a pressão alta do sangue. Além disso, as veias inelásticas podem facilmente romper e causar derrame. Os países com níveis de cálcio mais elevado em relação ao magnésio (cálcio elevado e níveis baixos do magnésio) no solo e na água têm a incidência mais elevada de doenças cardiovasculares. No alto da lista está Austrália.
Por todo o mundo a concentração de magnésio foi baixando e do cálcio foi aumentando por causa do uso elevado de fertilizantes com alto teor de cálcio e baixo de magnésio. Com isso, a entrada do magnésio em nossos alimentos diminuiu firmemente nos últimos cinqüenta anos, com o uso de fertilizantes ricos em cálcio as doenças cardiovasculares aumentaram extremamente ao mesmo tempo.
Os Diabéticos são propensos a arteriosclerose, a degeneração do fígado e à doença de coração. Os Diabéticos têm níveis baixos de magnésio nos tecidos. Desenvolvem freqüentemente os problemas de olho – enfermidade da retina. Quanto mais baixo o índice de magnésio em sua água, mais elevada é a taxa de morte dos diabéticos de doença cardiovascular. Em um estudo americano as taxas de morte devido ao diabetes eram quatro vezes maiores nas áreas com níveis baixos de magnésio na água em comparação às áreas com níveis elevados do magnésio na água.
Para o Sistema Nervoso
O magnésio tem um efeito calmante no sistema nervoso. Por isso, é usado freqüentemente para promover um bom sono. Mas mais importante, pode ser usado acalmar os nervos irritados e sobre-excitados. Isto é, especialmente útil em ataques epilépticos, convulsão em mulher grávida e “agitação” no alcoolismo. Os níveis do magnésio são geralmente baixos nos alcoólicos, contribuindo ou causando muitos de seus problemas de saúde. Se os níveis do magnésio forem baixos, os nervos perdem o controle sobre a atividade do músculo, a respiração e processos mentais. A fadiga nervosa, os tics e as contrações musculares, os tremores, a irritabilidade, a hipersensibilidade, os espasmos do músculo, as inquietações, a ansiedade, a confusão, a desorientação e o batimento cardíaco irregular todos respondem a níveis elevados de magnésio. Um fenômeno comum da deficiência do magnésio é uma reação do músculo, um ruído alto e inesperado.
“As pílulas de memória” que foram introduzidas no mercado, nos últimos anos, consistem principalmente de magnésio. Muitos dos sintomas da doença de parkinson podem ser superados com suplemento elevado do magnésio, agitação pode ser impedida e rigidez ser facilitada. Com pré-eclampsia as mulheres grávidas podem desenvolver convulsões, náusea, vertigem e dores de cabeça. Nos hospitais isto é tratado com os infusões de magnésio. Por causa de seu efeito relaxante forte, o magnésio ajuda a não somente ter um sono melhor, mas é também útil em superar dores de cabeça e enxaqueca. Mesmo o número dos suicídios é ligado à deficiência do magnésio. Quanto mais baixo o índice do magnésio no solo e água em uma região, mais elevada é a taxa dos suicídios.
A epilepsia é marcada por níveis anormalmente baixos de magnésio no sangue, no líquido espinhal e no cérebro, causando a hiper-excitabilidade nas regiões do cérebro. Há muitos casos relatados de epilepsia que melhoraram extremamente ou que desapareceram com suplementos de magnésio. Em uma experiencia com 30 epilépticos 450 mg de magnésio fornecido diariamente, os ataques foram controlados com sucesso.

Um outro estudo descobriu-se que quanto mais baixo o nível de magnésio no sangue mais severo era a epilepsia. Na maioria dos casos o magnésio trabalha melhor em combinação com a vitamina B6 e o Zinco. Em concentrações suficientes, o magnésio inibe convulsões limitando ou retardando a propagação da descarga elétrica de um grupo isolado de células do cérebro promovendo o descanso do cérebro. Os estudos em animais mostram que mesmo a descarga inicial das células do nervo, que começa um ataque epiléptico, pode ser suprimida com magnésio.
Para Dentes e Ossos
As autoridades médicas reivindicam que a incidência difundida da osteoporose e da deterioração dos dentes em países ocidentais pode ser impedida com uma entrada elevada do cálcio. Entretanto, a evidência publicada revela que o oposto é verdadeiro. As populações Asiáticas e africanas com uma entrada muito baixa aproximadamente de 300 mg diário de cálcio estão com a osteoporose muito baixa. As mulheres Bantu com uma entrada de magnésio 200 a 300 mg diário de cálcio têm a incidência mais baixa de osteoporose no mundo. Em países ocidentais com uma entrada elevada de produtos derivados do leite a entrada média do cálcio em relação ao magnésio é de aproximadamente 1000. Mais elevado à entrada do cálcio, especialmente na formulação de produtos de leite das vacas (exceto a manteiga) mais elevada à incidência da osteoporose.
Os níveis do cálcio, do magnésio e do fósforo são mantidos em um contrapeso de balanço pelos hormônios da paratireóide. Se o cálcio for acima, o magnésio vai para baixo e vice-versa. Com uma entrada baixa de magnésio, o cálcio sai dos ossos e aumentam os níveis nos tecidos, quando uma entrada elevada do magnésio fizer com que o cálcio saia dos tecidos e vá para os ossos. Uma entrada elevada do fósforo sem uma entrada elevada do cálcio ou do magnésio faz com que o cálcio saia dos ossos e deixe o corpo com a urina. Uma entrada elevada de fósforo com cálcio e magnésio conduz para mineralização dos ossos.
Dr. Barnett, um cirurgião ortopedista medicando em dois condados diferentes dos ESTADOS UNIDOS com níveis muito diferentes do mineral no solo e na água. No condado de Dallas com níveis de cálcio elevados um baixo nível de concentração de magnésio as fraturas eram muito comuns, quando em Hereford com magnésio elevado e cálcio baixo estes eram quase ausentes. No condado de Dallas o índice do magnésio dos ossos era 0.5% quando em Hereford era 1.76% em uma outra comparação que o índice do magnésio nos ossos em pacientes com osteoporose era 0.62% quando em indivíduos saudáveis eram 1.26%.
O mesmo aplica-se para os dentes saudáveis. Em um estudo de Nova Zelândia encontrou-se que os dentes resistentes à caries tiveram na média duas vezes a quantidade de magnésio que nos dentes propensos a cárie. A concentração média de sulfato de magnésio nos ossos é dada como aproximadamente 1%, nos dentes aproximadamente 1.5%, nas presas do elefante 2% e nos dentes dos animais carnívoros feitos para esmagar os ossos é 5%. Com respeito à força dos ossos e dos dentes pensar do cálcio como o giz e do magnésio como o supercola. A supercola do magnésio liga e transforma o giz nos ossos e nos dentes superiores.
Para Rejuvenescimento e Câncer
Muitos estudos mostraram uma taxa elevada de câncer nas regiões com níveis baixos de magnésio no solo e na água de beber. No Egito a taxa do câncer era somente de 10 % aproximadamente que Europa e na América. No trabalhador rural era praticamente inexistente. A diferença principal era uma entrada extremamente elevada do magnésio de 2.5 a 3 g nestas populações livres de câncer, dez vezes mais do que em a maioria de países ocidentais.
O Dr. Seeger e o Dr. Budwig na Alemanha mostraram que o câncer é principalmente o resultado de um metabolismo defeituoso de energia no núcleo das células, as mitocôndrias. Um declínio similar na produção de energia ocorre quando nós envelhecemos. A maioria grande das enzimas envolvidos na produção da energia requer o magnésio. Uma célula saudável tem o magnésio elevado e níveis baixos do cálcio. Até 30% da energia das células são usadas para bombear o cálcio fora das células. Quanto mais elevado o nível do cálcio e mais baixo o nível do magnésio no líquido extracelular, mais pesado é para que as células bombeiem o cálcio para fora. O resultado é que com níveis baixos de magnésio as mitocôndrias se calcificam gradualmente e a produção de energia diminui. Nós podemos dizer que nossa idade bioquímica está determinada pela relação do magnésio com o cálcio dentro de nossas células. Os testes com Síndrome crônica da fadiga mostraram que o suplemento do magnésio resultou em níveis de energia melhores.
Nós usamos nossos músculos seletivamente contraindo-os. No músculo nivelado bioquimicamente a contração é provocada pelos íons do cálcio que fluem nas células do músculo. Quando relaxamos o cálcio do músculo é bombeado para fora outra vez. Entretanto, enquanto nós envelhecemos, mais e mais resíduos de cálcio é preso nos músculos e estes se tornam mais contraídos cada vez mais permanentemente, conduzindo à tensão e as contrações crescentes dos músculos. Junto com a calcificação das juntas, isto é a rigidez e a inflexibilidade típicas da velhice. Quanto mais elevado à entrada de cálcio relativo ao magnésio, mais rápido nós calcificamos e envelhecemos. A maioria do cálcio adicional em nossa dieta termina em nossos tecidos macios e em torno das juntas que conduzem à calcificação com deformações, arteriosclerose, as cataratas, as pedras nos rins e a artrite. O Dr. Seyle provou experimentalmente que o stress bioquímico pode conduzir à calcificação patológica de quase todos os órgãos. Mais stress, mais calcificação, mais rápido o envelhecimento.
Sds.
Admilson
21/01/2009 15:12
De: ildefonso rodrigues de sousa (ildefonso@prrr.mpf.gov.br)
IP: 200.142.58.18

Re: Pressão Baixa e dores de coluna

eu sofro de pressão alta e  tomo o cloreto de magnésio a oito meses e até agora não não me fez nenhum mal muito pelo contrário  eu estou me sentido  é outra pesso, só vivia com dor na coluna, caimbras dor no joelho, não sinto mais nada.
Eu falei pro meu médico que estava tomando o cloreto de magnésio e  ele falou que eu podia continuar que é muito bom.
16/12/2007 17:52
De: Joaquim p. b. da silva
IP: 200.175.137.5

Já tomo cloreto de magnesio a 4 meses

boa tarde  tenho 50 anos, eu tomo o cloreto magnésio  P.A é o mesmo que usado p/ fins analiticos. não sei é coisa da minha cabeça mas minha pessão arterial sobe. também descobri que glecemia está muito alta já baixei ela p/ 200 só com a dieta. mas ela astá teimando em ficar em 200, gostaria de saber se posso cotinuar tomar o cloreto, porque eu parei. sem mais joaquim
04/07/2007 15:49
De: silvano adroaldo nascimento saragoso
IP: 200.248.55.164

Duvidas

Amigo.
Gostaria de saber se o Cloreto de Magnésio é eficáz no tratamento de fibroses ?  se é eficáz no tratamento da arteriosclerose ? e no tratamento da diabetes ?  Pergunto, ainda, o cloreto, dísse, retira o cálcio do corpo, recolocando no ossos.  Houvi dizer que o cálcio é extremamente importante para as células, no caso de o magniséio retirar o calcio do corpo, isso não irá prejudicar as células que ficarão fracas ou com pouco cálcio ?   Desde já agradeço a resposta.  Silvano
12/08/2010 21:48
De: sonia santana
IP: 187.48.56.3

Informaçao

     
           Boa Noite!!!!
 Sou diabetica, minha Mãe tem mal de Parkson e meu Pai é hipertenso. Gostaria de saber como preparar o cloreto de maguinesio e qual a quantiade devemos usar. Fui informada que é um santo remedio.
 Mto grata.
 Sônia
26/04/2011 11:49
De: Pepe
IP: 187.102.209.66

Re: Re: Cloreto de magnésio - magnésio - hipertensão e diabetes.

Bom Dia
Uso o cloreto desde 2004, quando sofri um  acidente e bati a costa. Na ocasião o baque doia muito e estava calcificando. Os médicos que consultei disseram ser necessario um intervenção cirurgica de raspagem. Me recomendaram tomar uns remédios de gosto ruim e preço alto (desinflamatórios). Não aguentei as dores e vasculhando a INTERNET descobri o cloreto pelo artigo do Padre Bruno. Usei o sal diluido em agua e em tres (03) semanas as dores e o inchaço desapareceram. Para minha surpresa não havia mais o calombo (calcificação) no local do baque.
Uso atualmente o cloreto em cápsulas, pois o gosto do sal é ruim que só.
Tenho 48 anos, farei 49 em julho, e me sinto jovem : minha pressão arterial é 12x 8 apesar do sobrepeso (1,71 m de altura e 85 kg de peso), tenho energia de sobra, e  ainda não uso óculos(aliás, o único de minha idade, dentro da minha numerosa família que ainda não usa óculos).
Usem, é BBB  BOM, BARATO E BENÉFICO.
03/07/2012 14:54
De: Eliane
IP: 189.58.102.151

Re: Bursite

Por favor, gostaria de saber se o cloreto de magnésio é eficaz para quem tem bursite. Tenho bursite no quadril a muito tempo e os antinflamatórios não foram muito eficazes.
Obrigada.
29/08/2011 01:56
De: kibe
IP: 201.74.183.96

Re: Hérnia na coluna cervical.

Sofri um acidente de trabalho à 6 anos e tive que fazer 2 cirurgias lombares;após a 2 cirurgia a dor começou a expandir para os quadris e agora se instalou na cervical causando hérnia e uma dor insuportavel,nenhum remédio deu resultado até o momento,não sei o que é passar um dia sem dor,já tomei antidepressivo que deram reação de quase morte subita ( citolaplan ) maldito remédio....o sistema municipal de saude disponibiliza medicamentos para dor crônica ,gratuitamente( codeina,metadona e morfina ) passei em pelo menos 3 médicos pra preencherem os formulários,nenhum teve coragem.Os medicamentos receitados são caros.....nesta ultima semana fui parar no pronto socorro 2 vezes,me deram um coquetel que chapa o cabeção na hora,já to viciado....mas não to nem ai,só quero parar de sentir dor...faço acupuntura e fisioterapia há varios anos sem resultados satisfátorios....agora já to na fase de psicoterapia e psiquiatria;dor crônica tratada no blá blá blá.....bom é isso ai.
14/10/2007 14:54
De: Admilson
IP: 201.43.134.94

Re: Erisipela

Boa tarde.
O Cloreto de Magnésio para erisipela é ótimo e tenho noticias de curas maravilhosas. Para a erisipela o melhor é preparar uma solução concentrada para passar. Manter sempre úmido até a cura. Tem mais algumas coisas que podem ajudar, mas preciso que me mande email para indicar.
cloretodemagnesio@uol.com.br
Ou adicione no msn: cloretodemagnesio@hotmail.com
Eu vendo o cloreto aqui por R$ 40,00 vidro lacrado com 500 gramas. Tenho que saber de onde é para saber quanto custa para enviar.
Sds.
Admilson
Seu IP: 54.196.62.23 (os IP's são armazenados por questões de segurança)
Seu nome:
Seu e-mail:
Assunto:
Mensagem:
  Não quero que meu e-mail apareça na mensagem (apenas o nome)